2º dia da XXVI Semana de Meio Ambiente no Jornal da PUC

O primeiro semestre de 2020 está terminando. Este ano é marcado pela pandemia do novo coronavírus, mas isso não impede a causa ambiental de ser debatida. O Jornal da PUC registrou os acontecimentos dos três dias da primeira edição online da Semana de Meio Ambiente da PUC-Rio.

Aqui está a reportagem “Respeitar a natureza para uma vida melhor” de Nathalie Hanna:

A relação de religiões com o meio ambiente e a ação do homem para preservar o planeta foram discutidas no segundo dia da Semana do Meio Ambiente

O tema Fé no Clima e as Alterações Climáticas no Contexto da Pandemia foi o tema abordado na Semana de Meio Ambiente, na quinta-feira, 4 de junho. O encontro transmitido on-line promoveu um diálogo inter-religioso, com a participação de representantes de diferentes religiões. Um outro debate sobre mudanças climáticas foi realizado com o professor Filipe Duarte, da Universidade de Lisboa, e o professor Sergio Besserman, do Departamento de Economia. Os painéis foram mediados pela coordenadora de Extensão do Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente (NIMA), professora Maria Fernanda Lemos, e pela Coordenadora da Iniciativa Fé no Clima, Moema Salgado. 

Ex-aluna de Ciências Sociais da PUC-Rio e babá de Umbanda da Casa do Perdão, Mãe Flávia Pinto, ressaltou a importância do meio ambiente em  algumas religiões, como a Umbanda, que utiliza elementos da natureza para realizar certos rituais. Ela apontou as origens afro-brasileiras da religião e destacou que este tipo de crença cultiva a consciência da preservação da natureza, que é uma parte importante na conexão dos umbandistas com o meio ambiente.

– Tanto a umbanda como o candomblé são religiões de origem africana, e a umbanda indígena também. Segundo os laudos arqueológicos, nós existimos muito mais do que 2020 anos. Nós não somos religiões da era moderna, nós somos tradições étnicas culturais.  Nossa relação com o meio ambiente é uma relação de sobrevivência. O uso da medicina tradicional vai estar presente na nossa religiosidade de uma forma muito integral, nós temos conhecimentos do uso das ervas, das folhas, das raízes, das águas e da preservação. 

Mãe Flávia Pinto, rabino Dario Bialer e Mirim Ju Yan

O rabino da Associação Religiosa Israelita do Rio de Janeiro Dario Bialer afirmou que o trabalho de Deus reflete em tudo que o homem faz. Para ele, os seres humanos são as mãos de Deus no mundo. Bialer ressaltou o valor do projeto Fé no Clima e completou com a observação de que a fé no clima não vai se comportar por meio da fé, e sim da obra das mãos de cada indivíduo. O clima, segundo o rabino, será a consequência da obra do homem e ele é a resposta pelo o que o ser faz e deixa de fazer.

Integrante do Conselho Indígena do Distrito Federal, Mirim Ju Yan destacou a magnitude da natureza para os indígenas. Ele comentou que, para eles, a relação com a mãe-terra é única, não existe ambientalismo indígena. Ju Yan afirmou que não existe a separação do que é sociedade e do que é meio ambiente: as pessoas constroem o mundo sagrado e o cultivam; elas são o meio ambiente, são a natureza, observou.

Crise climática 

No segundo painel, o professor Filipe Duarte, da Universidade de Lisboa, comentou as modificações climáticas que vão surgir a partir do cenário atual. Duarte também ressaltou a importância do Papa Francisco, que reconhece o valor da ciência, sobretudo em um mundo que necessita da tecnologia para solucionar os problemas. De acordo com ele, a atmosfera mudará se a população não passar por uma transformação. O professor enfatizou que os problemas globais são definidos como crises de caráter global e socioeconômico, o que aumenta a desigualdade no mundo.

– As alterações climáticas começam a afetar muitas populações pelo mundo, mas vão se tornar mais graves se nós não travarmos as emissões de gases com o efeito estufa na atmosfera. É hora de dizer adeus aos combustíveis fósseis, reconhecer que foram muito importantes na nossa civilização, mas agora é tempo de mudar, é tempo de fazer uma transição energética para as energias renováveis. Também é tempo de sermos mais cuidadosos no uso de energia. 


Professor Filipe Duarte, da Universidade de Lisboa

O professor Sergio Besserman, do Departamento de Economia, frisou que é necessário implementar medidas em relação à crise climática que, segundo ele, é a sexta grande extinção que o humano está imerso. Besserman observou que a instabilidade do meio ambiente é causada pelos comportamentos prejudiciais do homem, e o maior obstáculo da raça humana são os efeitos que o desequilíbrio da natureza possam causar.

– Eu quero destacar não apenas os aspectos científicos, mas o futuro que é afetado pela pandemia. O maior desafio da humanidade, neste momento, é a crise climática. Os impactos que ela causa são gigantescos e vão seguir se continuarmos a trilhar a estrada que estamos trilhando. Ela traz desafios inéditos, como ser uma única tribo e a equidade intergeracional. Nós somos tribais, mas agora somos uma tribo de fato, estamos juntos. A humanidade era abstrata e agora tem que ser concreta.

Professor Sergio Besserman, do Departamento de Economia. Foto: Larissa Gomes

Além de Duarte e Besserman, o segundo dia da Semana do Meio Ambiente teve a presença do diretor do Departamento de Teologia, padre Waldecir Gonzaga, do rabino Dario Bialer, da socióloga e Mãe de santo Flavia Pinto, do pastor Timóteo Carriker e do indígena Mirim Ju Yan, que participaram do primeiro debate.

Uma resposta para “2º dia da XXVI Semana de Meio Ambiente no Jornal da PUC”

  1. Ótimo trabalho!
    Após perder muito tempo na internet encontrei esse blog
    que tinha o que tanto procurava.
    Parabéns pelo texto e conteúdo, temos que ter mais
    artigos deste tipo na internet.
    Gostei muito.
    Meu muito obrigado!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *