Minicurso “Laudato Si e projetos socioambientais do NIMA: educação ambiental e hortas” na XXVI SMA.

A XXVI Semana do Meio Ambiente da PUC-Rio aconteceu de forma digital do dia 3 ao dia 5 de junho. No dia 4 de junho, ocorreu o minicurso “Laudato Si e os projetos socioambientais do NIMA: educação ambiental e hortas”. O curso foi ministrado por Roosevelt Fideles, coordenador do projeto Jornadas Ecológicas e professor da rede estadual, e pelos alunos Maria Claudia Lafraia e Renzo Reisch, estagiários de Educação Ambiental. 

O tema da Semana do Meio Ambiente deste ano foi o “Laudato Si”, o primeiro texto escrito integralmente pelo papa Francisco.O documento pontifício traz como mensagem central a noção de que “tudo está conectado” – frase que foi repetida três vezes ao longo das páginas. Se o ser humano não é dissociado da natureza, eles formam as partes de um mesmo todo e, portanto, destruir a natureza seria destruir também o próprio ser humano. 

Ao longo do minicurso, o professor Roosevelt falou sobre a importância da Educação Ambiental para transformação do indivíduo para que ele tenha uma postura diferente em relação ao meio ambiente. Isso porque através de um aumento do conhecimento, da mudança de valores e o aperfeiçoamento de habilidades, a Educação Ambiental tem se tornado cada vez mais importante como meio de buscar apoio e participação de diversos segmentos da sociedade para a conservação e melhoria da qualidade de vida. Além disso, abordou também o histórico da educação ambiental, explicando que a preocupação oficial com a necessidade de um trabalho educativo que sensibilize as pessoas para a questões ambientais surgiu em 1972, durante a Conferência sobre Meio Ambiente Humano, realizado pela ONU. 

Assim, qual a contribuição do NIMA para a preservação da natureza e o fortalecimento do que o papa Francisco chama, no documento, de uma “ecologia integral”?  Para explicar esta relação, a aluna Maria Claudia Lafraia contou a história do NIMA, formado em 1999 pelo atual reitor da PUC-Rio, Pe. Josafá Carlos de Siqueira S.J. O objetivo era tornar a universidade em uma referência nacional e internacional, contribuindo através da ciência e da educação para o desenvolvimento sustentável. Assim, a PUC-Rio se tornou a primeira faculdade da América Latina a possuir uma agenda socioambiental. Para alcançar seus objetivos, a comissão se estruturou em grupos temáticos, incluindo a Educação Ambiental.

O primeiro projeto de Educação Ambiental apresentado foi o “Jornadas Ecológicas”, realizado desde 1998 em escolas públicas e no campus da PUC-Rio com a missão de contribuir para a formação de valores éticos e socioambientais de crianças e adolescentes do Ensino Fundamental e Médio das escolas públicas do município do Rio de Janeiro. “Convencido como estou – de que toda a mudança tem necessidade de motivações e de um caminho educativo”, disse o papa Francisco na Encíclica Laudato Si. 

O segundo projeto apresentado foi a Estação de Educação Ambiental, inaugurada em 2012. A casa foi construída através de um modelo agro-florestal, onde oito composteiras são responsáveis pela compostagem de 40% das folhas do campus da Universidade. A partir delas, surgem matérias-primas que são utilizadas nas três hortas do NIMA. Maria explicou que uma composteira, que tem dura cerca de seis meses, é capaz de gerar em torno de 281,12 Kg de compostos e economiza aproximadamente 1.200 reais. 

Renzo Reisch, estagiário de Educação Ambiental, falou sobre a Horta Orgânica Familiar e a Horta da Casa de Medicina, criadas em 2017. A primeira se localiza no telhado verde da Coordenação Central de Extensão (CCE), ao lado do edifício Cardeal Leme. A segunda fica no terreno do Departamento de Medicina, no alto da Gávea. A iniciativa do cultivo das hortas tem o objetivo de analisar os efeitos das variações climáticas das duas regiões, melhorando as expectativas de colheitas. 

Renzo falou também sobre a criação de uma horta, explicando sobre quais cuidados essenciais e especiais devemos ter ao criar a nossa própria horta. Você pode assistir à gravação do mini-curso “Laudato Si e os projetos socioambientais do NIMA: educação ambiental e hortas” aqui:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *